Biblioteca Virtual

Trabalhos, pesquisas e publicações científicas

Preparamos esta biblioteca virtual com o objetivo de ampliar a divulgação do conhecimento produzido no meio acadêmico sobre assuntos diversos relacionados ao território do Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul.

Aqui, você encontra excelentes trabalhos acadêmicos, pesquisas científicas e publicações especiais. Os documentos reúnem informações qualificadas elaboradas por especialistas em temas como geodiversidade, biodiversidade, antropologia, arqueologia, paleontologia, educação, história, cultura, povos e comunidades tradicionais, entre outros.

Boa leitura!

REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE DA ILHA DOS LOBOS: FORMAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SEU CONSELHO GESTOR

A formação do conselho gestor de uma Unidade de Conservação (UC) é um processo democrático de exercício da participação social na gestão ambiental
pública, conforme prevista na própria legislação ambiental brasileira. O Refúgio de Vida Silvestre (Revis) da Ilha dos Lobos, localizado em frente a Torres, Rio Grande do Sul, foi decretado como UC federal em 1983. Entretanto, somente 33 anos após sua criação, a UC teve seu conselho gestor formado. O objetivo deste estudo foi registrar o processo de formação deste conselho, a partir de normas estabelecidas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio – IN 09/2014), caracterizar o perfil dos conselheiros e conhecer suas opiniões em relação a alguns temas centrais da gestão da UC. As informações foram obtidas entre 2016 e 2017, a partir de três metodologias principais: i) análise documental de relatórios, atas e observação direta das reuniões realizadas; ii) aplicação de questionário com perguntas fechadas; e iii) entrevistas com os conselheiros de cada um dos setores que compõem o conselho. A formação do conselho envolveu mais de 50 instituições e ocorreu ao longo de dez meses durante 2016. Ao final deste período, foram
definidos nove setores que se relacionam com o território protegido pela UC e sua área de influência. A partir disso, foram definidas 22 vagas, respeitando-se uma relação de paridade entre instituições do poder público (n=12) e da sociedade civil (n=10). O perfil geral dos conselheiros é de adultos de meia idade, com elevado grau de instrução, residentes do município da UC e com experiência na participação em outros conselhos. A maioria dos conselheiros entende que a pesca ilegal dentro da UC e o conflito da pesca com os leões-marinhos são os maiores problemas da unidade. Segundo os conselheiros entrevistados, o principal papel do conselheiro seria subsidiar o conselho com informações técnicas, auxiliar na integração da sociedade com a unidade, e divulgar a importância do Revis. A preservação da biodiversidade local, incluindo os leões-marinhos, foi apontada como a principal finalidade da UC, enquanto o desenvolvimento de atividades de turismo ecológico e a implementação do plano de manejo foram apontados como alguns dos principais
desejos por parte dos conselheiros. No que diz respeito à participação, as reuniões ordinárias do Conselho realizadas em 2017 contaram com um quórum médio de 75,2%, valor superior ao observado em diversos conselhos de UCs do país. A partir desses resultados, o próximo desafio deste conselho é construir metodologias de monitoramento da atuação do próprio conselho no intuito de identificar as dificuldades e encontrar formas de superá-las para que o conselho seja também um espaço de construção e aprendizado e desta forma possa contribuir para a implementação da UC

Palavras chaves: unidade de conservação, gestão participativa, conselho gestor.

MOBILIDADE E ESCOLHAS DE MATÉRIAS-PRIMAS ROCHOSAS POR GRUPOS PRÉ-HISTÓRICOS CAÇADORES-COLETORES NA MICROBACIA DO RIO DA PEDRA. JACINTO MACHADO/SANTA CATARINA.

O estudo da exploração das fontes de matéria-prima está associado ao entendimento do espaço em diversos aspectos, dentre eles o Geológico,
Geomorfológico, Pedológico e Hidrológico. Este trabalho visa entender os critérios de seleção de matérias-primas aptas ao talhe de instrumentos localizados em dois sítios arqueológicos, geomorfologicamente distintos, localizados na microbacia do rio da Pedra, por parte dos grupos pré-históricos com hábitos denominados de caçadores-coletores, no município de Jacinto Machado, extremo sul do estado de Santa Catarina. Esta pesquisa está inserida dentro da problemática estudada no projeto Arqueologia Entre Rios: do Urussanga ao Mampituba, coordenado pelo grupo de pesquisa Arqueologia e Gestão Integrada do Território.

Palavras-chave: Captação de Recursos. Arqueologia. Aspectos Físicos. Caçador-coletor.

COMUNIDADES QUILOMBOLAS NA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA: RESISTÊNCIAS E LUTAS

A partir de alguns debates nas aulas de história da África surgiu a ideia de fazer uma pesquisa sobre as comunidades quilombolas no estado de Santa Catarina, onde o perfil eurocêntrico foi imposto à estas comunidades, tornando-as invisíveis, na construção sociocultural do estado. Assim, sentiu-se a necessidade de compreender: Como o conceito de comunidades quilombolas foi sendo modificado ao longo da história? Qual a importância das comunidades quilombolas para o reconhecimento da contribuição destes povos na formação da sociedade brasileira? Bem como, de que forma as comunidades quilombolas se colocam como espaço de visibilidade da luta pela terra? Portanto, esta pesquisa dialoga com Ratts (2006) na concepção de Beatriz Nascimento (2008) com o termo aquilombar-se, Albuquerque (2013) e Leite (2008) destacando a presença das populações negras em Santa
Catarina. Posteriormente apontamos as legislações que asseguram os direitos a essas comunidades, bem como o apoio do movimento negro e quilombola luta na direito da terra. Em seguida, nesta apresenta-se o mapeamento de comunidades quilombolas no Brasil e especialmente na região Sul, apresentando a comunidade quilombola de São Roque, município de Praia Grande – SC. Objetiva-se por meio deste estudo compreender o conceito de comunidade quilombola ao longo da história do Brasil; refletir sobre as legislações que envolvem as comunidades quilombolas; perceber a importância do movimento negro na luta por direitos e reconhecimento. Esta pesquisa se caracterizou por levantamentos bibliográficos acerca da temática que envolve a compreensão histórica das comunidades quilombolas. Percebe-se ao final da pesquisa que as comunidades quilombolas se constituíram como espaço de resistência, luta pela terra, afirmação de ancestralidade, práticas e saberes destas tradicionais.

Palavras Chave: Comunidade quilombola. Luta pela terra. Resistência. Saberes Tradicionais.

CAMINHOS DAS TROPAS NO EXTREMO SUL CATARINENSE: MEMÓRIA E PATRIMÔNIO

Este trabalho buscou contribuir com as discussões referentes as questões voltadas a ideia de patrimônio cultural, tendo como campo de análise o tropeirismo no Extremo Sul Catarinense. Na perspectiva da Nova História, na linha da história local e regional desenvolveu-se o referido trabalho de conclusão de curso. Foi a partir deste viés que se buscou dar ênfase aos trabalhos realizados num espaço geográfico que corresponde aos municípios da fronteira Sul Catarinense. Assim, delimitou-se uma área de estudos que localiza o objeto de estudo na região sul, sintetizado num projeto amplo e interdisciplinar intitulado “Arqueologia Entre Rios: do Urussanga ao Mampituba”. Tropeirismo e Caminhos das Tropas foram o objeto deste estudo, onde buscou-se estabelecer uma problemática sobre estudos referentes ao caminho das tropas e do movimento chamado tropeirismo. O que este deixou como herança material no extremo sul do Estado. Assim podemos pensar como o caminho das tropas se materializou e influenciou na formação das identidades culturais e patrimoniais dos municípios do Extremo Sul Catarinense.

Palavras-chave: Caminhos das Tropas. Tropeiros. Memória. Patrimônio. Extremo Sul Catarinense.

GEOSSÍTIO PARQUE DA GUARITA: UMA PROPOSTA DE GEOROTEIRO AUTOGUIADO

O presente estudo é uma proposta de georoteiro turístico autoguiado no Geossítio Parque da Guarita (Parque Estadual José Lutzemberger), no município de Torres (RS). Foram elencados pontos de interesse da geologia local, abordando a geodiversidade existente. Para a abordagem realizou-se pesquisas bibliográficas acerca do tema proposto, dando suporte teórico para a seleção dos pontos de interesse geológico contidos no roteiro. Essa proposta desenvolveu-se ao longo do estágio obrigatório, junto ao Consórcio Intermunicipal Caminho dos Cânions do Sul (SC/RS), período no qual realizou-se a visita a dois Geoparques consolidados no norte da Itália, o Adamello Brenta e o Sesia Val Grande. O intuito é de contribuir para a difusão da geodiversidade na região candidata ao Geoparque Caminho dos Cânions do Sul.

Palavras-chave: Georoteiro, Parque da Guarita, Geodiversidade.

ACESSIBILIDADE E LAZER: uma proposta de adequação para o Parque Estadual da Guarita Torres – RS

O turismo desempenha papel importante na sociedade e visa inter-relações socioculturais entre morador e turista. Portanto, é necessário uma sociedade mais igualitária e acessível para que todos possam usufruir do espaço com autonomia e segurança, levando em consideração que o Brasil possui em torno de 46 milhões de pessoas com deficiência. Assim, o objetivo da presente pesquisa foi averiguar a existência de acessibilidade no Parque Estadual da Guarita em Torres (RS), para pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida. Como objetivos específicos constam verificar a existência de acessibilidade na infraestrutura em análise, apresentar experiências positivas ou negativas vividas por essas pessoas, verificar se os profissionais têm treinamento em assuntos de acessibilidade e propor sugestões de melhorias. A metodologia utilizada para pesquisa tem abordagem qualitativa e método descritivo. Para verificar a acessibilidade foi utilizado o roteiro de inspeção proposto pelo Ministério do Turismo como base, incluindo registro fotográfico e fita métrica para medição. Além disso, foram realizadas entrevistas estruturadas com pessoas com deficiência e ou mobilidade reduzida nos obstáculos enfrentados por estes. Foi observado que o Parque da Guarita possui alguns elementos na questão de acessibilidade, porém não é o suficiente para atender plenamente os moradores e turistas.
Palavras-chave: Acessibilidade, Parque Estadual da Guarita, Turismo, Áreas naturais, Geoparque.

GEOPARQUE CAMINHOS DOS CÂNIONS DO SUL (RS e SC) – proposta

Uma proposta de criação do “Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul”, localizado próximo à zona litorânea da Região Sul do Brasil, divisa dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, é apresentada. Esta proposta tem por base o potencial geoturístico dos cânions, também conhecidos como “Aparados da Serra”. A região é considerada patrimônio geológico nacional e conta com duas unidades de conservação federais, os parques nacionais Aparados da Serra e Serra Geral. A área é reconhecida como a maior concentração de cânions do país e apresenta uma sucessão de belíssimas escarpas que atingem até 1157 metros de altura, possuindo uma extensão total de aproximadamente 250 km. Aliada à beleza cênica dos cânions, também merece destaque a biodiversidade do Bioma Mata Atlântica e os geomonumentos da Planície Costeira. Neste contexto foi elaborado o cadastro dos geossítios/geomonumentos, indicando a relevância e interesse de cada um, assim como um mapa geológico compilado na escala 1:750.000 com a locação dos geossítios inventariados. Somado ao patrimônio geológico, merece destaque a infraestrutura para o turismo rural e de aventura oferecido aos visitantes que chegam à região. Ressalta-se, no âmbito da proposta do Geoparque, o envolvimento das comunidades locais que, através da Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (AMESC) e da Secretaria de Turismo do Estado do Rio Grande do Sul, vêm realizando ações relevantes em prol do turismo e da estruturação de um Geoparque na região.

Palavras-chave: geoparque, cânions do sul, geossítio, Aparados da Serra, planície costeira.

Recursos didáticos como estratégia de geoeducação: um meio para fomentar o geoturismo no projeto Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul

O presente estudo aborda os recursos didáticos desenvolvidos para os alunos do 6º ano da Rede Municipal de Educação Básica de Jacinto Machado/SC, com vistas a contribuir para a geoeducação. De forma lúdica e interativa, os recursos visam ilustrar a origem, os processos e a definição de parte do patrimônio geológico inventariado no território do Projeto Geoparque Caminhos dos Cânions do Sul (GCCS). A iniciativa tem como pressuposto o entendimento de que as ações de geoturismo e de geoconservação devem estar associadas com as da geoeducação, para que possam envolver todas as instâncias da comunidade e consolidarem-se como alternativas concretas para o desenvolvimento social, econômico e cultural. Utilizando-se da pesquisa-ação como definição metodológica, o estudo desenvolveu quatro recursos didáticos que serão aplicados na Rede Municipal de Ensino de Jacinto Machado/SC e que poderão ser replicados a todos os sete municípios incluídos no Projeto GCCS.

OS SABERES E PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS MEMÓRIAS DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DE SÃO ROQUE – PRAIA GRANDE/SC

Este artigo constitui o resultado do projeto de extensão “Os saberes e práticas agrícolas de ontem e de hoje na comunidade Quilombola de São Roque/Praia Grande – SC”. A ideia de um estudo, cujo objeto de pesquisa fosse a Comunidade, surgiu após a constatação, por meio de conversa com alguns moradores, da necessidade de divulgação da terra remanescente quilombola. Servidores e discentes do IFC – Campus Santa Rosa do Sul (CSRS), mesmo com a proximidade da instituição, desconheciam a existência da referida terra.

MEMÓRIA E PATRIMÔNIO: CAMINHOS DAS TROPAS NO EXTREMO SUL CATARINENSE

Este trabalho buscou contribuir com as discussões referentes às questões voltadas a ideia de patrimônio cultural, tendo como campo de análise o tropeirismo no Extremo Sul Catarinense. Na perspectiva da Nova História, na linha da história local e regional desenvolveu-se o referido trabalho de conclusão de curso. Foi a partir deste viés que se buscou dar ênfase aos trabalhos realizados num espaço geográfico que corresponde aos municípios da fronteira Sul Catarinense. Assim, delimitou-se uma área de estudos que localiza o objeto de estudo na região sul, sintetizado num projeto amplo e interdisciplinar intitulado “Arqueologia Entre Rios: do Urussanga ao Mampituba”. Tropeirismo e Caminhos das Tropas foram o objeto deste estudo, onde se buscou estabelecer uma problemática sobre estudos referentes ao caminho das tropas e do movimento chamado tropeirismo. O que este deixou como herança material no extremo sul do Estado. Assim podemos pensar como o caminho das tropas se materializou e influenciou na formação das identidades culturais e patrimoniais dos municípios do Extremo Sul Catarinense.

Trabalhos, pesquisas e publicações